Psicologia

shutterstock_220544206A Psicologia é uma ciência, como inúmeras outras, que busca responder a uma velha pergunta: “O que é o homem?”

Através de suas técnicas de investigação da historia pessoal, utilização de instrumentos de avaliação da personalidade e cognitivos, e da observação, busca estudar e entender a complexidade e variedade do comportamento humano e seus aspectos de funcionamento interno.

Todos os tipos de comportamento manifesto e oculto, simples ou complexo, racional ou irracional são estudados pela psicologia. Como também, a compreensão de sua natureza, os sentimentos e pensamentos.

A psicologia abrange diversas áreas, como: Psicologia Escolar; Psicologia Organizacional; Psicologia Social e Neuropsicologia.

Áreas de Atuação:

Psicoterapia

O processo psicoterápico busca uma melhor compreensão da problemática emocional trazida pelo cliente, no momento em que inicia a busca do significado do sofrimento apresentado através das queixas e dificuldades relatadas. Essa busca de significado pauta-se em conteúdos inconscientes que se manifestam de muitas formas, construtivas ou por meio de sintomas e de “armadilhas” que fazemos para nós mesmos.

Tanto com adolescentes como com adultos o processo de Psicoterapia deve ser realizado por um profissional capacitado, em uma relação interpessoal.

Esse percurso a ser construído na Psicoterapia possibilita uma reflexão sobre a forma de ser no mundo, visando o crescimento emocional, a melhoria da qualidade de vida, das relações interpessoais e a redução do sofrimento psíquico, possibilitando o desenvolvimento de diferentes formas de lidar com a própria vida. O tempo não é delimitado e não existe um foco pré-estabelecido, como na Psicoterapia Breve.

A Psicoterapia é indicada nos mais diversos casos clínicos como ansiedade, fobias, transtorno do pânico, TOC, estresse, estresse pós-traumático, ansiedade de separação, depressão, transtorno de humor, transtorno bipolar, transtornos somatoformes (hipocondria, somatizações, fibriomialgias), transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), transtornos do sono, transtornos alimentares (bulimia nervosa, anorexia nervosa, obesidade, vigorexia), transtornos de personalidade (borderline, histriônica, paranóide, esquizóide, esquiva, dependente), transtorno do controle dos impulsos (cleptomania, jogo patológico, trictilomania, transtorno explosivo), dificuldades sexuais (aversão sexual, impotência, ejaculação precoce, frigidez, dificuldade orgástica etc.), dificuldades nos relacionamentos de um modo geral (conflitos, ciúmes, insegurança, timidez), adição a drogas e a álcool.

Em alguns casos indica-se a Psicoterapia associada ao acompanhamento psiquiátrico ou a um trabalho em equipe multiprofissional.

Psicoterarpia Infantil

A criança encontra-se em desenvolvimento continuo, descobrindo o mundo e se descobrindo de forma incessante. Por vezes depara-se com questões de seu mundo interno e/ou externo difíceis de serem experenciadas e compreendidas. Quando essas se apresentam de forma muito intensa ou duradoura, podem transformar-se em sintomas.

Os sintomas revelam sofrimento emocional, dor psíquica, podendo interferir em diversas áreas da vida: escolar, familiar, mundo de relações, saúde. Com o tempo uma forma pouco adaptada de lidar com as situações de vida pode consolidar-se, juntamente com um conceito distorcido de si e de suas possibilidades, com prejuízos significativos ao processo de desenvolvimento. A Psicoterapia Infantil visa auxiliar a criança a identificar, nomear e expressar suas emoções de forma mais adaptada com melhoria em sua qualidade de vida.

A Psicoterapia Infantil de Orientação Analítica ou Ludoterapia busca compreender o significado e a função dessas dificuldades, enquanto formas de expressão emocional. Essa busca pauta-se em fantasias inconscientes que por meio de brinquedos, atividades lúdicas, sonhos, produções gráficas, revelam conflitivas, anseios, potenciais e novas possibilidades de lidar com as situações.

Alguns casos em que a Psicoterapia Infantil pode ser indicada: dificuldades de aprendizagem, dificuldades escolares (comportamentais), birras, agressividade, medos, ansiedade, depressão, tique, dificuldades de sono, dificuldades alimentares, rebeldia, dificuldade de lidar com limites e frustração, hiperatividade, agitação, atitudes desafiadoras, timidez, queixas somáticas (asma, dermatites, doenças respiratórias, problemas gastrointestinais, etc.).

A Orientação de Pais sistemática é parte fundamental do processo de Psicoterapia Infantil, objetivando a compreensão das dificuldades que ocorrem na relação com a criança, enfocando-se a relação pais-filho e a forma como cada qual participa e desempenha seu papel nesse momento do desenvolvimento que envolve e reflete a psicodinâmica da família.

Avaliação psicologica

A Avaliação Psicológica ou Psicodiagnóstico possibilita uma compreensão da estrutura da personalidade e funcionamento mental do individuo, considerando-se sua realidade biopsicossocial, buscando-se enfocar tanto as dificuldades como os recursos disponíveis internamente para superá-las, bem como as potencialidades, nem sempre conhecidas.

A Avaliação Psicológica ou Psicodiagnóstico é estruturada de acordo com os objetivos propostos, podendo enfatizar a avaliação cognitiva, a avaliação da personalidade ou ambas. Sua duração e técnicas utilizadas dependerão desses objetivos.

A Avaliação Psicológica ou Psicodiagnóstico pode ser utilizada em todas as faixas etárias da infância à terceira idade, com técnicas especificas e padronizadas para cada idade. No caso de crianças e adolescentes, no processo da avaliação psicológica são incluídas entrevistas com os pais. No caso de pessoas adultas com sérios transtornos psicológicos também a presença de familiares pode ser requerida.

A Avaliação Psicológica ou Psicodiagnóstico é um processo diagnóstico pode ser realizado por meio de entrevistas clínicas, observações, escalas, técnicas projetivas, entrevista devolutiva, sendo que ao possibilitar uma leitura em profundidade da estrutura e do funcionamento psíquico, auxilia no direcionamento do tratamento mais indicado para cada caso, seja psicoterápico, medicamentoso, psicopedagógico, entre outros. Pode auxiliar também no processo de escolha ou orientação profissional.

Psicoterapia de casal

Dificilmente os casais sabem dizer claramente porque se escolheram, pois as motivações que regem essa e talvez a maioria de nossas escolhas na vida são inconscientes. Essa relação tão intima, tão carregada de afetos e frustrações por vezes precisa ser repensada com o auxilio de alguém que não faça parte dessa história, que não tome partido e que não tenha território a defender.

A Psicoterapia de Casal objetiva criar um espaço para que cada um se reconheça e reconheça o parceiro, estabelecendo uma comunicação mias funcional, em uma relação com menor carga de cobranças, expectativas, mágoas.

Esse novo olhar pode estimular uma aliança mais saudável e construtiva como pode levar ao questionamento da continuidade da relação, sendo importante a participação consciente do casal.

Orientação de pais e famílias

A Orientação de Pais ou Famílias destina-se ao atendimento de pais e famílias de crianças, adolescentes ou adultos com quadros psicóticos, borderline ou que no momento precise do suporte familiar. Objetiva a compreensão das dificuldades que ocorrem na relação pais-filho ou situação familiar e a forma como cada qual participa e desempenha seu papel nessa situação no momento tão conflituosa e geradora de dor psíquica.

A Orientação de Pais pode ocorrer por um período continuo de tempo ou por meio de sessões esporádicas, dependendo da necessidade e disponibilidade dos mesmos.

Uma outra modalidade desse atendimento são as Reuniões Psicopedagógicas, que objetivam a compreensão da problemática apresentada pelo familiar (pais, filhos, irmãos, parceiros) de forma pedagógica. Nessas Reuniões pode-se discutir a extensão e forma de manifestação dos sintomas e dificuldades, gravidade, formas de lidar com a situação, sempre se trabalhando as emoções e dúvidas despertadas.

Mediação de Conflitos

Por vezes os conflitos são vividos de uma forma tão intensa que as partes só procuram manter suas posições, defendê-las, sem a possibilidade de estabelecer um verdadeiro dialogo, podendo ouvir-se e ouvir o outro, sem ficar preparando o próximo argumento.

A Mediação de Conflitos é uma técnica para conduzir disputas, por meio do diálogo entre as partes conflitantes, na busca de uma solução que para ambas seja viável, realística, satisfatória e, se possível, criativa. A Mediação de Conflitos é um método não-adversarial de resolução de conflitos, no qual uma terceira pessoa, não envolvida no mesmo e com treinamento para tal, procura de forma imparcial auxiliar as partes a discriminar e refletir sobre seus reais interesses, necessidades, desejos e propostas de solução, por meio do dialogo cooperativo, buscando preservar os vínculos afetivos existentes.

A duração de um processo de Mediação de Conflitos é variável, podendo durar de 1 a 10 sessões, dependendo do local no qual é realizada, da profundidade da situação a ser trabalhada, da disponibilidade das partes e do mediador.

A Mediação de Conflitos tem sido aplicada em vários contextos, entre elas nas disputas conjugais e familiares, com resultados favoráveis.

Um Encontro de dois: olhos nos olhos, face a face. E quando estiveres perto, arrancar-te-ei os olhos e colocá-los-ei no lugar dos meus; E arrancarei meus olhos para colocá-los no lugar dos teus; Então ver-te-ei com os teus olhos e tu ver-me-ás com os meus.” Jacob Levy

Category
Especialidades

Clínica Serfis 2016. Todos os direitos reservados.